terça-feira, 31 de agosto de 2010

See Ya [Contradições]

Já fiz cartas, bilhetes, cartazes e outdoors pedindo pra você ir embora. Mas acho que bem lá no fundo eu não deixo você ir embora e você não resiste muito, é mais cômodo infernizar minha vida do que ter que ignorar completamente ela, não é mesmo? Se eu já sou parte de você e você de mim, é difícil anular o que já está marcado.
Marcou como gado, queimou minhas entranhas e na hora pareceu terrível, mas hoje em dia é praticamente indiferente, ter você em mim ou não, é o mesmo que viver essa vida que eu vivo.
Eu não quero te deixar ir completamente porque isso significa deixar uma parte de mim ir junto e isso me perturba bastante, eu sou só eu com as coisas que você incorporou magneticamente em mim, como uma atração quase letal e destrutiva, você só ferra minha vida e eu culpo você até mesmo pelo aquecimento global. Eu te culpo até quando você não tá por perto, porque é mais fácil jogar a responsabilidade em você do que ter que carregar ela com a metade de mim que não é você.
Então, hoje eu não vou dizer pra você ir embora e sumir da minha vida de vez.
Afinal de contas eu não vou me livrar de você tão facilmente, é óbvio.
A partir de hoje vou te dizer todos os dias: até logo.
Quem sabe assim você não entende o recado?

"Mas que uma coisa fique certa, amor
A porta vai estar sempre aberta, amor
O meu olhar vai dar uma festa, amor
Na hora em que você chegar"

Um comentário:

Joan Jett disse...

"é mais cômodo infernizar minha vida do que ter que ignorar completamente ela, não é mesmo?"

Adoro essas contradições da vida.