terça-feira, 3 de agosto de 2010

Song #1

Isso não é uma música, só pra constar, porque minhas habilidades pra rima sempre foram pobres, então... Nunca segui adiante com essa ideia.
Eu queria dizer, hoje, que trechos de músicas definem sua vida. Não no sentido de mudar ela de cabeça pra baixo, mas elas conseguem tirar bem do fundo do peito aquela dor, alegria, tristeza, frustração e etc que a gente reprime com várias coisas.
Estranho como a gente consegue associar certas coisas com outras na nossa mente, só prova a abrangência da mesma, os links que a gente conhece.
E basta falar um nome pra gente se estremecer todinha, que nem vara bamba e sem perceber divagar pra um momento que a gente parecia que tinha esquecido, mas tá sempre lá pra assombrar a gente.
Diria que hoje em dia é, para uns, altamente perverso e enervante admitir que se sente falta de uma pessoa que foi grande na sua vida e imaginar como seria ela se tudo tivesse congelado no momento em que as coisas eram "felizes" ou qualquer coisa que não seja o agora.
Talvez porque a gente viva tão presa em como foi, a gente não se atente para o que é de verdade, aquilo que tá na nossa frente e a gente não enxerga direito ou enxerga e acha estranho. Como uma oportunidade que bate à sua porta e parece tão inesperada e esquisita, que a gente fecha a porta na cara dela sem mesmo perguntar o que ela queria com a gente.

Long story short:
I miss you
But I have my own life now... so
I missed you.


hadtosayit.

Um comentário:

Joan Jett disse...

"uma oportunidade que bate à sua porta e parece tão inesperada e esquisita, que a gente fecha a porta na cara dela sem mesmo perguntar o que ela queria com a gente."

Éé. Tem que sempre abrir a porta, porra.
SHUASHAUSHA