terça-feira, 31 de agosto de 2010

Enough

Então eu não tenho chance?

- Não sei.
- Então eu tenho esperança?
Ele revirou os olhos, parecia com raiva.
- Não exagera, não especula. Se esforça.
- Mas eu me esforcei. MUITO.
- Não foi o suficiente, foi?
- Acho que não.
- Foi o que eu pensei... - ela ponderou por um tempo, passando de um lado pro outro da sala. - Mas eu sou melhor do que qualquer uma das que você esteve, acho que você não está preparado pra mim, pra minha magnitude.
Ele riu:
- É, talvez não.
- Eu sou melhor que elas.
- Eu sei.
- E você não quer melhor?
- E se você for meu auge?
- Significa que eu te faço bem, que eu sou boa.
- E se a partir daí eu só declinar?
- É um risco que você tem que correr.
Eles se olharam num silêncio cheio de gritos repletos de desejo, paixão e ódio. Com eles, tudo isso andava junto, uma mistura de antíteses e paradoxos que talvez, num mundo paralelo desse certo.
E quem sabe um dia daria? Só não exagera as suas expectativas ou especula um final.
Faz acontecer.


"Um mundo louco, imenso
De paixão e medo.
Dorme, amor, nos meus braços
Como se eu fosse o primeiro".

Um comentário:

Joan Jett disse...

Faz acontecer! Sim!

Pude sentir daqui o medo dele.
E o desejo ansioso dos dois.